A estética do abandono, de David Magila, na Janaina Torres Galeria

23 de October de 2019 • David Magila, Exposições, Notícias

David Magila, Frequentes conclusões falsas 48, 2019, acrílica e spray s/tela, 150×240 cm

EM SUA PRIMEIRA INDIVIDUAL NA GALERIA, O ARTISTA EXIBE O RESULTADO DE SUA PESQUISA EM LOCAIS ISOLADOS E REMOTOS, EM PINTURAS E ESCULTURAS

Cada artista encontra sua própria “natureza” e faz dela o motivo da sua arte. Para David Magila, que expõe Frequentes Conclusões Falsas, sua primeira individual na Janaina Torres Galeria, com abertura em 29 de maio, a natureza é composta de paisagens suburbanas, clubes de campo fora de temporada, balneários de férias e outras paragens remotas e isoladas nas quais o artista faz seu trabalho de campo.

Nas oito pinturas e três esculturas que compõem a mostra, David Magila exibe o resultado de um trabalho que, partindo do desenho e em um estilo baseado em componentes gráficos, exibe os fragmentos de uma estética do esvaziamento e do abandono.

David Magila, Frequentes conclusões falsas 47, 2019, acrílica e spray s/tela, 150×100 cm

São cenários de precariedade, em que o elemento inacabado de seu tema se transfere para a própria forma da arte, seja nas pinturas, seja nas esculturas. Magila registra uma ausência – do elemento humano, por certo, mas também da ordem e da lógica que guia o acabamento.

Leia entrevista com David Magila aqui.

Cores vivas e melancolia

Apesar de cores vivas que irrompem nos trabalhos – como o salmão, o rosa e o verde -, uma certa melancolia está presente nas obras, acompanhando as marcas de uma arquitetura ordinária e predatória e a sensação de desmanche e fragilidade.

A unidade do conjunto é patente. Assim como a originalidade. Nas suas andanças, registrando os cenários com os quais se depara em anotações, recolhimento de objetos e fotografias, Magila busca o olhar “estrangeiro” à paisagem, o estranhamento.

“Quando vou para o ateliê, tento resgatar esse impulso”, diz o artista. “É como se pintasse algo que nunca fora visto e é daí que surgem ideias tanto da estrutura do trabalho como das cores que uso”.

David Magila, Frequentes conclusões falsas 43, 2018, acrílica e spray s/tela, 60×80 cm

 

Frequentes Conslusões Falsas, de David Magila

Abertura: 29 de maio, quarta-feira 19h às 22h
De 30 de maio a 13 de julho
Visitação: de segunda a sexta, das 10h às 19h e aos sábados, das 11h às 15h

Mais sobre David Magila

Página do artista 
Site do artista
Instagram @davidmagila


Veja também