newsletter |siga-nos

Preview: Janaina Torres Galeria na ArtRio 2018

21 de October de 2018 • Andrey Zignnatto, Daniel Jablonski, David Magila, Feco Hamburger, Feiras, Heleno Bernardi, Notícias, Pablo Ferretti, Sandra Mazzini

Apresentamos com prazer um preview de nossa seleção de artistas e obras para nossa primeira participação na ArtRio 2018. A feira acontece na Marina da Glória, no Rio de Janeiro, entre 26 ( para convidados ) e 30 de setembro. Estamos no stand V7. Aproximem-se.

Sandra Mazzini

Sandra Mazzini, Sem título, 2018, Óleo sobre tela, 165 x 180 cm

A artista paulistana mistura rigor e espontaneidade em pinturas exuberantes, que ativam a visão. Obtendo as imagens originais de pesquisa de computador, que serve como “natureza” para a artista, e recolhendo reminiscências da memória, Sandra reproduz nas suas telas uma certa fragmentação contemporânea, e a geometria cibernética dos pixels – ou a “manipulação fragmentada de natureza caleidoscópica”, como ela diz. Imagens são assim construídas e reconstruídas em múltiplos detalhes, num trabalho que cuida de cada retângulo como uma obra em si – pinturas dentro da pintura, que se aproximam da abstração em alguns momentos, formando paisagens complexas e fascinantes.

Daniel Jablonski

Daniel Jablonski, Hy Brazil, 2018, Pigmento sobre papel de algodão e metacrilato, Políptico de 6 | 37,5 x 60 cm ( cada )

“Hy Brazil” constitui-se de capturas de tela de computador com os resultados de uma extensa pesquisa feita na Internet sobre uma ilha fantasma situada na costa da Irlanda. Chamada Brazil (ou Hy Bressail, O’Brazil, Brazil, Bracil, Bracir, entre outras variantes) muito antes da descoberta do país sul-americano, a ilha esteve presente em praticamente todos os mapas náuticos entre 1325 a 1870. Foi apenas no fim do século 19, após inúmeras tentativas frustradas de encontrá-la, que a cartografia moderna determinou que ela havia sido confundida com um simples rochedo presente naquela região.

Nesse meio tempo, Hy Brazil ocupou um lugar privilegiado na imaginação popular, surgindo em diversas narrativas como um lugar maravilhoso, porém inalcançável. Sua presença atestada nos mapas deu origem à diversas teorias sobre a misteriosa ilha e seus habitantes; falou-se tanto de uma civilização avançada, moral e tecnologicamente, quanto do local de origem de povos milenares.

Ao apresentar milhares de resultados a respeito de algo que inexiste, a Internet aparece como uma ferramenta ideal para a difusão de novas e velhas mitologias, onde persistem, proliferam e florescem os mais primitivos fantasmas do desejo e da imaginação.

Hy Brazil dá sequência ao projeto Still Brazil, de 2017, exibido no Paço das Artes (São Paulo) e no Centro Cultural Justiça Federal CCJF (Rio de Janeiro) e que em outubro será mostrado no Espaço ArtNexus, em Bogotá.

Andrey Zignnatto

Fissura #3 (Série Reforma), 2018, Cerâmica, massa epoxi e dólar, 40 x 40 x 2,5 cm

Em Fissura, o artista paulista explora as veias abertas do colonialismo sul-americano, inserindo notas de dólar em fissuras feitas em placas de cerâmicas comercializadas no Peru. As cerâmicas ostentam formas geométricas conhecidas como tocapus (ou tocapos), símbolos que, segundo pesquisadores, identificavam a heráldica de famílias aristrocáticas Incas, e que eram aplicados também em superfícies como tecidos e objetos de madeira. Mais do que mostrar o nível de conhecimento de harmonia da geometria simbólica e construtiva andina, Zignnatto explora em Fissura a permanência de uma sociedade de classes no Peru e no continente, perpassada, agora, pelo domínio financeiro norte-americano.

Heleno Bernardi

Heleno Bernardi, Sem título, 2018, Acrílica e spray acrílico sobre tela, 180 x 20 cm

As telas do artista mineiro, que reside no Rio de Janeiro, são feitas a partir de experiências e observações sobre a cidade, incorporando referências e abstrações. Seu trabalho reflete o confronto físico entre o artista e o tecido urbano, incorporando a ideia de mapas, trajetos, deslocamentos e sinais, assimilando contextos sociais instáveis, que resultam em arquiteturas improvisadas e gambiarras. Mais do que testar os limites da representação, é a postura de pensar a pintura e sua motivação conceitual e estética que confere força e originalidade ao trabalho de Bernardi.

Feco Hamburger

Feco Hamburger, Via Láctea 1 (Série Eppur si Mouve), 2018, Pigmento sobre papel de algodão, 103 x 150 cm

O movimento do mundo – e nosso entendimento do mundo – é o tema de Eppur si muove, série em andamento. Neste trabalho, Feco desafia os limites da representação, criando universos paralelos construídos a partir de “mecanismos de precisão”. Herético, o artista refaz e desafia o imaginário do nosso tempo, o determinismo tecnológico de uma era seduzida pela inteligência artificial e o Homo Deus.

David Magila

David Magila, Frequentes conclusões falsas 39 (Série Frequentes conclusões falsas), 2018, Acrílica, spray e lápis sobre tela, 150 x 200 cm

David Magila tem formação em desenho e um forte apreço à tridimensionalidade e ao espaço. Complementaridade (entre a linha, a cor e o ambiente) define o trabalho desse artista, nascido em São Caetano do Sul (SP), e que reside e trabalha em São Paulo. Sua pintura busca retratar “o que nunca foi visto”, adicionando um olhar estrangeiro à cenas e paisagens ordinárias, que trazem apenas vestígios da figura humana, numa busca de originalidade que resulta em um resgate da memória afetiva – e encanto.

Pablo Ferretti

Pablo Ferretti, Luz Negra IV (Série Luz Negra), 2018, Óleo sobre tela, 180 x 160 cm

Entre o onírico e o real encontramos as telas de Pablo Ferretti, nascido em Porto Alegre, que reside no Rio de Janeiro e trilhou sua formação na Inglaterra, com mestrado no Royal College of Art, em Londres. Dono de um vocabulário pictórico culto, o trabalho de Ferretti transpira sofisticação e liberdade, oscilando entre o figurativo e o abstrato e resultando em estados de ânimo evanescentes – e uma poética própria e estimulante.

ArtRio 2018

Preview: 26 de setembro (para convidados), das 10h às 21h
Aberta ao público de quinta a sábado (27, 28 e 29), das 13h às 21h; e domingo (30), das 13h às 20h
Marina da Glória
Av. Infante Dom Henrique, S/N – Glória, Rio de Janeiro, Brasil


Veja também